Total de visualizações de página

sexta-feira, 11 de maio de 2012

MÃE (Homenagem à Dona de Maio)

Existem as mães, De gente, De serpentes, De cães. Existem as mães De ladrões de pães, Sapateiros, Delegados, barbeiros, Sacristães. Mães de empresários, operários... Tem mãe o juiz de futebol, O escrivão da causa pública Tem, e é mãe, até A presidente da República, o americano. o iraniano, o espanhol. Tem mãe que assume, a mãe que some, a mãe com ciúme, a mãe que dá a vida. A mãe que morre, a mãe farta e a sofrida, A mãe que se atreve. A mãe que espancada corre pela praça, pela avenida... - A mãe-operária em greve -. Tem a mãe preta Que amamentou O filho do ventre alheio; Tem a mãe que nem seio, nem chupeta, Nem choro a preocupou. Tem mãe que é fogo Na hora "H" está no cabeleireiro, no costureiro, na mesa de jogo. Tem mãe solteira, mãe escrava, Mãe calma, mãe brava. Tem mãe sem fé, sem porta mãe que aborta. Tem mãe quem quer que seja: Maria - mãe da igreja- Mãe é tão popular
Que até a pátria querSER. Mas para não nos deixarmos enganar É bom saber Que as pátrias onde moramos Podem ser chamadas de MÃES São indignos e desumanos Os que roubam de seus filhos os PÃES.

Nenhum comentário:

Postar um comentário